As dietas baixas em hidratos de carbono seguidas em regimes para perder peso não são seguras e apresentam riscos para a saúde, pelo que devem ser evitados, de acordo com um novo estudo apresentado nesta terça-feira, em Munique (sul da Alemanha).

Os riscos estão relacionados com uma maior incidência de morte prematura, disse um dos autores do estudo, o professor Maciej Banach, da Universidade Médica de Lodz, na Polônia.

“Descobrimos que as pessoas que consumiu uma dieta baixa em carboidratos apresentaram um maior risco de morte prematura. Também aumentou o risco individuais causas de morte, incluindo doenças cardíacas, enfartes fulminantes e câncer“, disse Banach.

Essas dietas têm que ser evitados“, acrescentou o especialista polonês em relação com os resultados do estudo, em que se tomaram dados de 24.825 pessoas entre os anos de 1999 e 2010 dentro da Pesquisa Nacional de Saúde e Exame Nutricional dos Estados Unidos.

Os autores do estudo, dado a conhecer durante a reunião da Sociedade Europeia de Cardiologia, que se reúne na capital da baviera, lembre-se que as dietas baixas em hidratos de carbono é recomendado para perda de peso.

Essa recomendação segue a constatação de que a obesidade está relacionada com várias doenças crônicas, como as cardiovasculares, a hipertensão, a diabetes tipo 2 e câncer.

Comparados com os participantes da pesquisa que tinham consumido a dietas com mais hidratos de carbono os que seguiram os planos com menos carboidratos apresentaram um 32% de maior risco em todos os casos de morte durante um período de acompanhamento de 6,4 anos.

Os riscos de morte por doenças cardíacas, avc e câncer aumentaram em 51%, 50% e 35%, respectivamente.

Banach indicou que as dietas baixas em hidratos de carbono “podem ser úteis para perda de peso a curto prazo, diminuir a pressão arterial e melhorar o controle da glicose no sangue, mas o nosso estudo sugere que, a longo prazo estão relacionadas a um aumento do risco de morte por qualquer causa e das mortes por doenças cardiovasculares, cérebro-vasculares e câncer“.

A respeito das razões que vinculam as dietas baixas em hidratos de carbono com o aumento do risco de morte Banach lembrou que já se conhece a relação entre a proteína animal, principalmente a carne vermelha e processada, e um aumento do risco de câncer.

“O consumo de fibras e frutas e um aumento de proteína animal, colesterol e gordura saturada em tais dietas pode desempenhar um papel. Você também pode ter uma influência sobre as diferenças em minerais, vitaminas e fitoquímicos“, acrescentou.